sexta-feira, novembro 28


Canção do dia de sempre

Tão bom viver dia a dia...
A vida assim, jamais cansa...

Viver tão só de momentos
Como estas nuvens no céu...

E só ganhar, toda a vida,
Inexperiência... esperança...

E a rosa louca dos ventos
Presa à copa do chapéu.

Nunca dês um nome a um rio:
Sempre é outro rio a passar.

Nada jamais continua,
Tudo vai recomeçar!

E sem nenhuma lembrança
Das outras vezes perdidas,
Atiro a rosa do sonho
Nas tuas mãos distraídas...

(Mário Quintana)

5 comentários:

Sergio LdS disse...

Sublime Quintana. Liz, belo poema para esses dias estranhos aqui nas terras de Santa Catarina.
Fraterno abraço.

Márcia(clarinha) disse...

Tão bom poder ler Quintana e sentir poesia...

lindo dia flor
beijos

Renata (impermeável a) disse...

Poxa, o frescor de Mario Quintana!!!
Ando tão melancolica e este poema.........................................................ai,ai!

vou colocar nos scrap da ultima cronica que escrevi, quando puder leia................... e repare se nao é poesia em linha reta!
rrrrsr

saudade do por-do-sol do gaíba...
aiiiiiiiiiiiii.....

acqua disse...

Quintana, sempre ele e sua singularidade. Como a simplicidade é deliciosa, não achas?
Abraços meus e bom fim de semana

Cynthia Lopes disse...

Atira a rosa do sonho em tuas mãos distraídas..., tentei, entretanto a linda rosa caiu. Faz mal não, a rosa continua em mim! Lindo poema, bela escolha Liz. bjss