quarta-feira, janeiro 16


ESQUECIMENTO


Então a memória nos trai

E a antiga vida principia a desaparecer.
Algumas palavras.
Alguns sons.
Alguns cheiros.

E tudo o que parecia indivisível
desvanesce por inteiro.

Então a lembrança nos distrai.

E as vozes não nos chamam mais.
E o futuro se reveste de paz.

E então
o passado não mais nos atrai.

E nem mesmo o presente.
(sente!)

E tudo é só bruma e névoa e esquecimento.
Pezinhos de crianças em calçada de cimento.

da cabeça de Moacir







Antes era assim...




Agora ficou deste jeito. Graças à conscientização de alguns porto-alegrenses em preservar prédios antigos.

2 comentários:

Leandro Jardim disse...

O Moa é muito bom!

Desejo disse...

lindo poema... e lindo são os pezinhos que usam aqueles sapatinhos :)