quinta-feira, janeiro 31


Foto: Henri Cartier Bresson

Neurolinguístíca

Quando ele me disse
ô linda,
pareces uma rainha,
fui ao cúmice do ápice
mas segurei meu desmaio.

Aos sessenta anos de idade,
vinte de casta viuvez,
quero estar bem acordada,
caso ele fale outra vez.

Adélia Prado



Um comentário:

JG disse...

Que coincidência incrível.
Acho que nós hoje estamos em sintonia. Você publica um poema de Adélia Prado e eu compro, hoje à tarde, o seu livro Solte os Cachorros, que ela escreveu em 1979 mas que só agora aparece por cá.
Há muito que gosto de Adélia Prado e já tenho publicado muitos poemas e textos dela.

E dizem que não coincidências :))))

Beijos
e obrigado pelos mimos. Fico babadíssimo.