sexta-feira, abril 4



desobrigação


abro mão da obrigação
de ser feliz na sexta
à noite

de sair copo a copo
corpo a corpo
bar em bar

basta-me um pouco
de quietude de
silêncio

o balanço da cadeira
na penumbra da
varanda

( copo de vinho solo
de jazz quinteto de
mozart )

a noite azul qualquer
estrela alguma
lua

e a lembrança da tua
boca das tuas mãos
como arrepio

em minha pele



Márcia Maia





4 comentários:

Anne Baylor disse...

jazz..
um pouco de silêncio..
E uma boa lembrança..

Tudo de bom..

Bom vir aqui e encontrar essa cadeira balançando..

BeijoS.

Valéria disse...

há coisas das quais, a gente NUNCA abre mão...
beijo

Shakadal disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Sergio LdS disse...

Liz, ontem eu trouxe para casa um disco de Bill Evans: "You must believe in Springs". Simplesmente soberbo. Ficaria perfeito caso trocasse a estação. Lendo o poema, acredito que ele foi escrito para aquela ocasião: aquela tarde, aquela luz de Outono e tudo mais. Pena não dispor de uma cadeira de balanço! Abraços!